<b>Comunicado da Comissão de Arbitragem</b> - CBA - Comissão Brasileira de Agility
Comunicado da Comissão de Arbitragem
Notícia publicada dia: 21/08/2009
Ata da reunião de Juizes e Comissão de Arbitragem da CBA
Realizada em Cotia , instalações da Dog World em 25/07/20009

Presentes os juízes: Mauro Zimenez, Augusto Ferreira, José Roberto, Camila Sakavicius, Tiago Vieira, Henrique Garcia, Renan Campos, Ernesto Galvão e Dan Wroblewski e Artur Pires também a representar a Comissão de Arbitragem.

- A todos foi explicado que a Comissão de Arbitragem está satisfeita com o desempenho dos Juízes e que esta reunião apenas tinha o objetivo de se tornarem cada vez mais homogêneos os julgamentos.

- Primeiro ponto foi explicado a todos o que a FCI pretende do segundo juiz no julgamento da subida da passarela. Este juiz julgará a aproximação e subida até que o cão toque com as quatro patas na prancha horizontal. A partir daí será o juiz principal que julgará.

- Através de votação dos presentes ficou definida que a CBA irá testar esse segundo juiz durante a II COPA PAULISTA DE AGILITY. Será opcional para os demais Campeonatos estaduais. SE a Comissão de Arbitragem e a CBA acharem que esse sistema é válido passará a ser aplicado nos demais campeonatos.

- Auxiliar de juiz – Cada juiz poderá indicar até á quinta feira anterior á prova onde vai atuar, através do e-mail da secretaria da CBA, que leva o seu auxiliar. Caso não o indique a secretaria de prova irá nomear um auxiliar como vem fazendo até aqui.

- Esse auxiliar apenas irá apontar o que o juiz marcar. DEIXA DE PODER O AUXILIAR INDICAR QUEDA DE BARRA OU TELHA QUE O JUIZ NÃO TENHA MARCADO. O Auxiliar apenas poderá indicar ao juiz que o concorrente atingiu os três refugos. Com isso pedimos maior atenção aos juízes no seu julgamento.

- O juiz é responsável por coordenar a posição e trabalho dos auxiliares de pista, bem assim como a posição no ringue do seu auxiliar e cronometristas.

- A medição de uma pista deve ser sempre feita de acordo com a trajetória ideal e mais segura do cão e nunca pela trajetória mais curta.

- Obstáculos como salto duplo, salto em distância, pneu e salto combinado, tem de estar em linha reta com a trajetória ideal do cão a partir do salto que o(s) antecede.

- Embora não esteja nada definido nas regras, foi chamada a atenção para a posição da casa, já que algumas vezes a sua angulação em relação ao obstáculo que a antecede tem provocado ferimentos em alguns cães.

- Foi chamada atenção dos juízes para um maior rigor na marcação de refugos e explicado que a regra é uma para todos os graus. Foi também explicado que uma zona de aproximação no grau 2 e 3 é maior do que no grau 1 e iniciante. Dentro dessa zona qualquer paragem ou volta em sentido contrário deverá ser marcado refugo.

- Em um Campeonato com descartes, o juiz que também for competidor terá na etapa em que julgar os pontos igual a média dos pontos das demais etapas.

Por ultimo foi alterada a seguinte regra:

- Se um cão refuga o ultimo obstáculo, mesmo que passe por entre a célula foto elétrica, deverá ser marcado refugo e não eliminação como até aqui, devendo o cronômetro manual só parar quando o cão realiza efetivamente o ultimo salto, sendo o tempo do cronômetro manual o apontado na sua sumula. Devem por isso os juízes informar os seus cronometristas desta alteração.

Os juízes não deverão ir entregar os troféus e medalhas dos pódios sem estarem devidamente vestidos. Camisetas de escolas não serão mais permitidas.

Tendo isto em vista a CBA irá fazer uma camiseta pólo para que todos os juizes a usem no desempenho das suas funções. Para tal pede-se desde já que cada um envie o tamanho pretendido para o e-mail da secretaria (secretaria@agilitybr.com.br) .

Cotia, 25 de Julho de 2009

Central de Carteiras
Últimas Solicitações
Renovação de Carteira
Novas Carteiras
Buscar uma Carteira
Noticias