<b>XIVCBR:</b> ranking grau 3 - entrevistas - CBA - Comissão Brasileira de Agility
XIVCBR: ranking grau 3 - entrevistas
Notícia publicada dia: 03/06/2013
Em comum os três campeões do grau 3 tem o fato de que repetiram títulos. Como condutor ninguém foi menos que tri em sua categoria, entre os cães Bona debutou no topo do pódio, conquistando pela primeira vez um título.


No Mini Paulo Prado chegou com Blanka (Pastor de Shetland) ao quarto título nacional, aos nove anos de idade. Alias o "trio de ferro" (Blanka, Candy e Skipper) campeão mundial de 2008 terminou nas três primeiros posições. Cães que parecem não ter fim. Sobre isso, o título e o futuro Paulo falou abaixo:

CBA: Tetra campeonato com a Blanka, até onde essa baixinha vai?
Paulo: Minha pequena grande campeã me surpreende a cada dia! Com nove anos de  idade ainda consegue competir em alto nível. Este teve um sabor especial porque foi decidido na última pista ....show!!!

CBA: Você acha que fez diferença nesse título a disputa em pistas separadas para os minis, prejudicou ou melhorou?
Paulo: Acredito que a mudança, onde os minis disputam em pistas separadas ou junto com os midis, ainda não teve o resultado esperado. Não mudou em nada!

CBA: Blanka parece interminável, mesmo com 9 anos continua no topo. E o futuro?
Paulo: planos para o futuro da minha highlander? Mais um brasileiro, um Américas e Caribe e se tudo der certo aposentadoria após o mundial....


Samy Wroblewski e Theo (Pastor de Shetland), também multicampeões, conquistaram pela quinta vez seguida o da categoria Midi. Sem dúvidas, assim como Paulo e Blanka, uma trajetória das mais vencedoras do agility nacional. Samy conta abaixo como foi o XIV Brasileiro, conta que não falta nada para conquistar e também sobre o pentacampeonato:

CBA: Pentacampeão Brasileiro de Agility, como é isso?
Samy: É especial, não imaginava isso quando comecei a competir com o Theo. Tinha a ambição de ser o melhor do Brasil, mas não tinha a ambição de ser por cinco anos seguidos. Esse ano não esperava vencer, comecei o campeonato numa fase não muito boa, mas nas etapas finais me engajei um pouco mais e com cinco vitórias de seis possíveis veio o pentacampeonato! Estou muito feliz pois sei que é uma marca difícil de ser alcançada!

CBA: Há cinco anos você vence no Midi grau 3, o que ainda falta para a dupla?
Samy: Acho que não falta nada, com o Theo realizei muitos sonhos que tinha dentro do Agility, vencemos o agility no mundial de 2008, fomos top 10 do mundo ficando em 6º em 2009, Theo foi o primeiro Sheltie a vencer uma competição com ranking unificado ( a IV Copa CBA em 2009), bicampeão do Open das Américas individual, bicampeão do Américas e Caribe por equipes, enfim!

Não tenho mais o que pedir pra ele, agora vou pensar campeonato a campeonato e o que vier vai estar de bom tamanho!

Vejo uma boa renovação nos midis com Carol (Katia), Pyatã (Meire), Jem (Vivy), Dora (Marcela), Fly (Marcos Victor) e espero poder fazer equipe com essas duplas em competições internacionais que venham a surgir!
 

CBA: E o futuro, Theo já tem oito anos, até onde você acha que consegue ir (Tyller por exemplo ainda compete e tem 12 anos)?
Samy: Não sei, sinceramente não penso nisso. Quero ir com ele até onde ele aguentar, mas não vou sacrificar ele por nada. Vai depender da saúde dele. Como fiz com a Dana em 2007, aposentando-a com quatro anos, mesmo depois de um pódio no mundial, por conta de problemas na coluna, farei com ele assim que detectar algo que possa estar sendo agravado pelo Agility. Até lá vamos aproveitar muito ainda!

Que bom que hoje ele está bem e posso pensar no próximo campeonato! 

Quero agradecer ao meu pai, Dan Wroblewski, pois sem ele o Theo não estaria comigo e eu não seria o que sou hoje. Além disso agradeço a todos que me ajudaram de alguma forma com ele e todos que torceram e torcem por nós! E ao próprio Theo, claro que ele nem sabe disso, mas sou muito grato a esse cão por tudo que ele me proporcionou na vida.

É um cão especial, quem convive um pouco com ele sabe disso e sou muito feliz por tê-lo em casa!


Finalizando o Grau 3 temos José Luiz Filho e Bona (Border Collie) como campeões do grau 3 Standard. O primeiro título da dupla e terceiro do condutor, que também foi campeão com Dino. José Luiz teve três conquistas nos últimos quatro anos. Assim se colocou como maior vencedor da categoria ainda competindo. Abaixo ele respondeu nossas perguntas, falando sobre Dino e Bona (Pai e filha), a virada nas últimas duas etapas e sobre o futuro.

CBA: É o seu terceiro título Brasileiro, dois com o Dino. Bona é uma evolução do Dino?
José Luiz: Bona não é uma evolução do Dino e sim uma continuidade e evolução de um pensamento de trabalho e metodologia. O Dino teve a epoca dele no esporte e suas diversas conquistas, e como todo o esporte a evolução tem que acontecer. 

CBA: Como foi a virada nas últimas etapas?
José Luiz: Foi  inesquecível, porque estavamos a quase 100 pontos do primeiro lugar, o Tiago com o Happy estavam praticamente ao meu ver 70 % com a mão na taça, mas eu tinha uma chance e acreditei nela até o fim, tinha que ir muito bem no sábado para ter uma chance de disputa no Domingo, e isso aconteceu, e essa vitória teve um gostinho mais do que especial.

CBA: Bona é relativamente nova, prestes a completar cinco anos, no competitivo grau 3 Std quais são seus planos para o futuro?
José Luiz: Continuaremos treinando, quero participar de mais provas internacionais . Sempre podemos melhorar, e aos pouquinhos vamos nos acertando. Sempre focando a próxima competição.


Central de Carteiras
Últimas Solicitações
Renovação de Carteira
Novas Carteiras
Buscar uma Carteira
Noticias